A REFORMA PROTESTANTE DO SÉCULO XVI

Publicado: outubro 21, 2007 em PROTESTANTISMO, RELIGIÃO

Esse foi um seminário que participei como palestrante.

E apresentei de forma suscinta, algumas notas sobre a reforma protestante.

Rm. 3: 19
INTRODUÇÃO
A reforma protestante foi um evento que trouxe grandes transformações sociais na história da humanidade. É vista por alguns como algo sem valor, algo religioso. Mas a história não mostra bem isso! Se um sociólogo contar a história da Reforma protestante, ele terá uma concepção diferente, dirá por exemplo que foi um golpe, por que os príncipes queriam ficar com seus bens e não mais enviar para Roma. Se um Protestante for contar ficará no âmbito religioso e dirá que toda a culpa foi da Igreja majoritária. Se um historiador Católico for contar a mesma história, ele dirá que os protestantes queriam o poder de Roma, e se rebelaram nesse desejo, mas as portas do inferno não prevaleceram, se um historiador laico for contar a mesma história, ele apresentará erros de ambas as partes, mas concordará que o mundo se tornou diferente depois da Reforma protestante do século XVI. A reforma e os reformadores anteriores a Lutero quiseram reformar a Igreja Romana de dentro para fora, porém foram obrigados a deixar a Igreja.

I – TENTATIVAS DE REFORMAS INTERNAS –

A. O papado em declínio

Entre 1309 e 1439, a Igreja Romana desceu a um ponto muito baixo no conceito dos leigos. Exigência quanto ao celibato e obediência absoluta ao papa, e a feudalização da Igreja Romana provocaram um declínio na moral e na moralidade dos clérigos.
Ora, falar do celibato obrigatório, e falar que vai contra os instintos naturais do homem e as afirmações bíblicas a favor do casamento. Muitos sacerdotes tomaram concubinas ou se perderam em casos de amor ilícito com mulheres de suas congregações.

B. Os impostos papais

Os impostos papais para sustentar duas cortes papais tornaram-se uma carga pesada para o povo da Europa.Eram muitos impostos que não vou citar todos aqui, mas vocês não têm noção de quantos impostos, o Brasil perde de longe para a quantidade de impostos. Isso era muito pesado para o povo.

C. O misticismo

O misticismo é uma forma clássica de piedade católica, decorreu de uma reação contra o ritual sacerdotal formal e mecânico e contra o escolasticismo árido da igreja de seu tempo. Os perigos da substituição da Bíblia pela autoridade interior subjetiva e da minimização da doutrina foram alguns dos desvios desses movimentos.

D. Precursores da Reforma

Os místicos tinham tentado tornar a religião mais pessoal, mas só os reformadores como Wycliffe, Huss e Savonarola, empenharam-se mais numa tentativa de fazer a Igreja voltar ao ideal do N. Testamento.

II – PORQUE ACONTECEU A REFORMA?

Alguns fatores tornaram inevitável a Reforma. Entre muitos podemos destacar :
• A relutância da Igreja Católica Romana medieval em aceitar as mudanças sugeridas pelos místicos.
• O surgimento das nações-estados, que se opuseram ao poderio universal do papa e a formação da classe média, que se revoltou contra a remessa de reservas para Roma.
• Sua fixação ao passado, clássico pagão, adotou uma forma corrupta, sensual e imoral, embora ilustrada.

Associado a isso por volta de 1500, os fundamentos da velha sociedade medieval estavam ruindo e uma nova sociedade, com dimensão geográfica muito ampla e com transformações nos padrões políticos, econômicos, intelectuais e religiosos, começava a surgir.
Houve mudanças:
• Geográficas;
• Políticas;
• Econômicas;
• Sociais;
• Intelectuais;
• Religiosas;

III – A REFORMA PORTESTANTE DE LUTERO

Como vimos ontem Lutero era um jovem com um futuro promissor…Seria um advogado. Místico como ele era, certa noite de tempestade ao voltar para casa, teve tanto medo dos relâmpagos e trovões que fez uma promessa a uma santa, que se não morresse, seria um monge. Não morreu, e se tornou um monge. Vivia em crises existenciais e espirituais por que não conseguia sentir o perdão.
Ao ser enviado à Roma viu os abusos sexuais, o pagamento de impostos absurdos
• de indulgências: Pagamentos pelos perdões: Ao se ouvir o tilintal da moeda no fundo do gazofilácio – uma alma está indo para o céu – Teztel.
• de simonia: Compra de cargos Eclesiásticos.
• das relíquias: Pedaço da cruz de cristo; pão da última Ceia, leite da virgem, etc…

Lutero volta revoltado com aquilo que vira, e a partir daí tenta um diálogo com a Igreja que o manda calar. Convida Teztel para um debate que não aceita. Roma o convida a revogar o que havia dito e escrito.

Lutero diante do Bispo de Roma diz: “Se eu for convencido pelas Escrituras e pela razão que eu estou errado, eu retiro o que disse.” Como não obteve resposta… Lutero não se retraiu diante da Igreja.

Em 1512 Lutero torna-se Doutor em teologia;
Em 1517 no dia 31 de outubro Lutero fixa no castelo de Wintember as 95 teses.´Um dia anterior ao dia de TODOS OS SANTOS.
Passa por vários debates;
Sofre a excomunhão da Igreja Católica;
Em 1520 dia 10 de dezembro – Queima a bula Papal;A data marca o rompimento com a Igreja romana.

IV – BENEFÍCIOS DA REFORMA

• A Igreja instituição era soberana: Por isso era tão grandes para o homem se sentir pequeno;
• Lutero traduz o Noivo Testamento para a língua alemã, que inclusive, Lutero é tido como o inventor da Língua alemã, pois quase não existia livros e havia muitas misturas na língua – passa a ser ensinada nas escolas,
• Os cultos eram celebrados na língua do povo, e o povo entendia o que se falava;
• Em 1534 fora publicada toda a Bíblia em Alemão – Os livros chamados Deutero-canônicos não fazem parte. A Igreja Romana, logo depois passa a adotá-los.
Como podemos perceber a abertura a novos escritos surgiu, fora o momento em que mais se produziu literatura na história. Outro aspecto foi o surgimento de grandes pensadores na história que agora teriam mais liberdade para escrever sobre fé e não fé. Sobre a igreja as Escrituras e tudo o que quisessem…

A liberdade foi restaurada……. Se a Reforma trouxe alguns males, entendo do ponto de vista da história que ela proporcionou mais  coisas boas ainda a sociedade.

Primaz da Igreja Anglicana

anglicano.jpg

Martinho Lutero

luterofc.jpg

Anúncios
comentários
  1. Fernando disse:

    Olá Jota Bê,

    Não resisti e dei uma visitada em seu blog…
    Gostei muito deste texto! Escreva mais sobre isso!
    Agora só uma pergunta: qual foi este seminário que você participou?

    Abraços!

  2. Fernando disse:

    Muito interessante este seminário!

    Não sei se o ensino religioso é uma prática comum em sua cidade, mas em Belo Horizonte, infelizmente não é. Acredito que o caos que a sociedade vive hoje é em grande parte, por falta de referencial, e a ausência de ensino deste tipo nas escolas acentua a situação.

    Boa iniciativa do seminário!

    Abraços!

  3. joaobosco disse:

    Em uma das Universidades públicas já temos turmas foirmadas em Ciencias daa Religião que seria o profissional especialista para o ensino religioso. (eu o sou), porém o governo do Estado fez um concurso em que apenas chamou dois profissionais para lecionar. Os outros professores que estão ems alad de aula…o que fazem é proselitismo, catequese..e por aí vai!

  4. eu disse:

    isso nao vale nada mais sauva o cara eu amo v6 caras que botao trabalho na net eu passei por causa de v6 vlwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww

  5. wallison disse:

    muito obrigado pelo conchecimento
    no trabalho re recuperação que to quasi morrendo para faze-lo
    vlwwwww

  6. André Luiz disse:

    Será que a historia ainda não provou que as maiores atrocidades já realizadas pela humanidade foram feitas ou insentivadas pelas religiões e seus dogmas?
    Religião é algo que deve ser suprimido.É algo nocivo e imoral. Abaixo qualquer religião e viva o livre pensamento….

  7. sul disse:

    Eu gostei muito desta materia, pois me esclareceu muitas coisas que tinha duvidas e outras que não sabia.
    Obrigada amado!

  8. yishay disse:

    Vejamos o que sabemos sobre J..SUS, está resumido nos quatro evangelhos.

    Há outras informações nos escritos de alguns historiadores de sua época, mas são em pequeno número.

    E nem todas são confiáveis.

    Exames grafotécnicos demonstraram que houve muitas falsificações nos documentos da época e também ao longo das várias traduções que a Bíblia sofreu, para sustentar idéias e interesses da Igreja Católica.

    Há uma disputa entre Igreja e críticos do J..SUS histórico, que vem de longa data.

    A igreja reitera sua confiança na Bíblia e aponta para os narradores extra bíblicos como prova da existência do messias.

    Já os que negam o J..SUS histórico, dizem se tratar de um mito criado pela Igreja, inspirado nos contos de antigos deuses pagãos.

    No entanto, muitos autores acreditam que J..SUS não é um mito.

    Porém, sua vida foi preenchida com relatos milagrosos, copiados de antigos deuses gregos e romanos, para atrair mais adeptos para a seita que começava a prosperar.

    Jerusalém. Ano 30 da nossa era.

    J..SUS é levado às autoridades romanas, condenado e crucificado.

    Por muito tempo a Igreja Católica culpou o povo judeu pela morte do mestre.

    Isso é um erro.

    A versão de que os judeus foram os responsáveis pela crucificação de J..SUS entrou nos evangelhos com uma única finalidade: aparar as arestas entre o Cristianismo e o Império Romano.

    Vinte anos depois, Paulo começa a divulgar a nova seita e escreve as primeiras cartas.

    Pelo ano 70, os primeiros evangelhos começam a ser escritos.

    No começo do século dois já há uma imensa quantidade de evangelhos.

    A maioria é considerada herética – sem valor para a Igreja.

    Início do terceiro século.

    As disputas teológicas sobre J..SUS ficam cada vez mais acirradas.

    No ano 303, o Imperador Diocleciano, que desejava extinguir aquela seita, decreta a perseguição aos cristãos.

    Muitos deles são presos, torturados e mortos.

    Ano 312.
    Diocleciano morre, sem ver seu plano concretizado.

    Flavius Valerius Constantius, ou simplesmente Constantino, assume o trono.

    O novo imperador nutria uma certa simpatia por aquela massa de gente, que mesmo combatida, não deixava de cultuar seu antigo mestre.

    Forjou então uma rápida conversão ao Cristianismo, dizendo que, na noite anterior à batalha da Ponte de Mílvia, ele sonhara com uma cruz, em que se lia: “SOB ESTE SÍMBOLO VENCERÁS”.

    Provavelmente isso motivou seus comandados, onde muitos eram cristãos, e de fato conseguiram a vitória.

    Ano 313.
    O Edito de Milão são cartas enviadas pelo Imperador Constantino, agora um convertido ao cristianismo, a todos os seus governadores, pedindo total tolerância aos praticantes daquele culto.

    Finalmente, a nova religião estava legalizada por todo o Império Romano.

    Em 318, o padre Ário, de Alexandria, sustenta em seus discursos que J..SUS não é Deus, portanto, menos divino que o Pai, e, por ter sido gerado por Deus, não era eterno.

    Por causa disso, é punido com o exílio pelo bispo Alexandre.

    Ário vai se juntar ao bispo Eusébio, com quem estudara na juventude.

    É o inicio da controvérsia ariana.

    Ano 325.
    Concilio de Nicéia.
    Um concílio é uma assembléia da Igreja católica, onde se discutem dogmas e doutrinas.
    Os bispos seguem a orientação do imperador, votam contra a idéia ariana e elevam J..SUS à categoria de Deus, determinando que ele e Deus possuem a mesma essência.
    A partir desse encontro proclamado por Constantino, o cristianismo dá seus primeiros passos para se tornar a principal religião do mundo romano.
    Constantino apostava na religião cristã, para unir um império marcado por desigualdades e confrontos entre os lados ocidental e oriental.

    O credo niceno, fortemente influenciado por Constantino, estabelece que o homem da Galiléia possui a mesma essência do Pai, isto é, J..SUS é Deus e da mesma substância do Criador.

    Todos os religiosos adeptos de Ário, que não concordavam com essas novidades, são perseguidos e exilados.

    A casta sacerdotal começa a difundir a mensagem: “Fora da Igreja não há salvação” (São Cipriano – séc. III).

    Portanto, deu-se mais valor à questões metafísicas e dogmas do que aos ensinamentos crísticos de amor, compaixão e caridade.

    Não era mais importante as falas do galileu, e sim, a obediência cega aos ditames dos chefes da Igreja.

    “Credo quia absurdum” (Acredito mesmo que seja absurdo), frase do apologista cristão Tertuliano ( 155-220 dC. ) virou referência aos defensores dos dogmas cristãos.

    Em 380, o cristianismo é oficializado a religião do Império Romano, pelo imperador Teodósio.

    No ano 381, sob seu comando, realiza-se o Concílio de Constantinopla.

    A Santíssima Trindade é incluída nesse encontro. Deus, J..SUS e o Espírito Santo são a mesma pessoa.

    Novamente houve perseguição aos que não aceitavam mais essa “verdade teológica” e muitos bispos foram banidos da igreja.

    Documentos arianos foram queimados, e quem fosse denunciado por seguir a doutrina de Ário, era tombado a golpes de espada.

    A Igreja católica começava a mostrar suas garras.

    Ano 389. Templos e santuários “pagãos” são destruídos por ordem de São Teófilo.

    O imperador Teodósio lhe dá total apoio.

    Ano seguinte é dada a largada para a caça aos hereges.

    Todas as manifestações religiosas são proibidas, e Teodósio permite apenas o culto da religião cristã.

    Mais adiante, por volta de 430, o Concílio de Nicéia já é o órgão conhecido por promulgar as leis do Império.

    Todos os que iam contra a Igreja eram crucificados ou jogados aos leões e uma nova organização católica (universal) é formada. Roma é a sede dessa Igreja e o cargo máximo é do Papa.

    O culto à mãe de um deus salvador, que era prática “pagã”, foi transformada ao culto à virgem Maria.

    Para o bispo Nestório, patriarca de Constantinopla, J..SUS tinha duas naturezas, humana e divina.

    Maria era mãe apenas do J..SUS humano.

    O Concílio de Éfeso, em 431, combateu essa idéia, e elevou Maria a um patamar igual a de Ísis (Egito) Hera (Grécia) e outras tantas deusas-mães, conferindo-lhe o titulo de Theotokos – que em grego quer dizer mãe de deus.

    A adoração à Maria se torna doutrina oficial na Igreja de Roma.

    Títulos antes atribuídos à deusa pagã, como “A mãe de Deus” e “Rainha do Céu”, são agora remetidos à virgem Maria.

    Maria, que havia sido praticamente esquecida pelos evangelistas, e por Paulo, aparecendo poucas vezes nos escritos oficiais, começava a ganhar importância entre os novos sacerdotes.

    A virgindade da mãe de J..SUS, doutrina da virgindade perpétua, isto é, foi virgem mesmo após o parto, só foi oficializada como dogma no II Concílio de Constantinopla, em 553.

    A concepção virginal de Maria foi imposta pela Igreja como dogma de fé, para que o messias estivesse no mesmo nível de divindade de antigos deuses mitológicos.

    É certo que se o povo que começava a assimilar as idéias da nova doutrina, não tivesse um salvador que fosse fruto da união de uma jovem virgem com um deus, é pouco provável que abraçariam com tanto vigor ao cristianismo.

    Afinal, belas e jovens mortais sendo fecundadas pelos deuses e gerando redentores da humanidade havia em grande escala por aqueles tempos.

    Outra deusa inspiradora para o caráter virginal de Maria, encontramos em Ártemis, que para os gregos era a filha de Zeus, uma jovem virgem e defensora da castidade.

    Os romanos a chamaram de Diana de Éfeso. No famoso templo de Éfeso, considerado uma das maravilhas do mundo antigo, Ártemis era representada com vários seios.

    Não, ela não sofria de qualquer anomalia…apenas simbolizava a fecundidade. Mais tarde, os artistas gregos criaram outra imagem: ela passou a usar túnica longa e segurava um arco.

    Para muitos cristãos, pouco importa se Maria não era mais virgem quando engravidou.

    Mas tem grande importância para os chefes da Igreja, que a tem como a legitima mãe divina.

    Como falei, é um dogma, criado pela Igreja.

    Acredito que nenhum cristão deveria amá-la menos por causa de um simples detalhe anatômico.

    Nem a Bíblia, fonte oficial do cristianismo, parece acreditar que Maria tivesse a virgindade perpetuada.

    Como se lê em Mateus 1,25: “Mas ele (José) não teve relações com ela até quando deu à luz um filho a quem deu o nome de J..SUS”.

    Isso revela que após o parto, a vida conjugal de Maria e José foi perfeitamente normal, como de qualquer casal.

    Então por que a insistência no dogma da virgindade perpétua?

    Os primeiros cristãos repudiavam a vida libertina dos pagãos, que não raro, se entregavam a cultos orgiásticos, regados a muito vinho. Eram as bacanais – culto ao deus Baco.

    Logo, sexo foi associado ao pecado e visto como vilão aos que desejavam manter-se em uma vida casta.

    A tradição dos antigos mandava que um líder espiritual tivesse um nascimento diferente dos simples mortais.

    Era recomendável que mães de salvadores fossem fecundadas milagrosamente por algum deus, e que de preferência, elas se mantivessem virgens e longe do contato sexual com humanos.

    Uma idéia tão confusa e com brechas para tantas interpretações, mesmo sendo imposta pela força, encontrará sempre adversários descontentes.

    E durante os anos que viriam, a Igreja Católica Apostólica Romana seria alvo dos mais duros críticos.

    Doutores da escola de Alexandria, no século terceiro, já alertavam que os dogmas da Igreja eram um perigoso obstáculo a inteligência e a razão e só tornavam mais distantes a essência do pensamento de J..SUS.

    A Igreja atinge o auge do poder durante a Idade Média, quando se tornou temida e respeitada, eliminando seus adversários através da Santa Inquisição.

    Nenhuma verdade teológica podia ser questionada.

    Enfim, o período de caça às bruxas e do terror acabam, e o Vaticano vê seu poder diminuir pelo surgimento do protestantismo de Lutero e dos filósofos iluministas, que com idéias novas, fazem o povo abrir os olhos e perder o medo das proibições impostas por Papas e inquisidores.

    A Igreja de Roma, que a princípio desejava ser universal – por isso o nome “católica” – foi perdendo campo e novas religiões foram sendo criadas, cada uma se dizendo a verdadeira conhecedora da Bíblia e dos ensinamentos cristãos.

  9. joaobosco disse:

    Sul! Seja sempre vindo a esse espaço!

  10. joaobosco disse:

    yishay,

    Muito grato pela visita e exposição de vosso pensamento! Expetacular!
    Muitas de suas colocações já a conhecia!
    O fato de minha narrativa estar posta da maneira que coloquei é que esta paalestra se dirigia a cristãos. E eu não poderia fugir daquilo qu expus.
    Esse verdadeiramente é um espaço público, deixo aqui seus apontamentos para quem desejar ler.
    Muito grato pela visita e a contribuição!

  11. Luma Fernanda Vieira Correia disse:

    Parabéns pela o conteúdo, particulamente me ajudou bastante.

  12. ingrid disse:

    isso e muito chato

  13. JOÃO BASTOS disse:

    EU ACHEI ESSE CONTEÚDO MUITO INTERESSANTE,POIS FALA DE UMA REFORMA FEITA POR UM HOMEM QUE NÃO ACEITOU FICAR PASSIVO A VENDA DE INDULGÊNCIAS.

  14. marcio rocha rodrigês júnior disse:

    Queria que tivesse tivesse o eenascimento da sociedade medieval..

    por que ñ acheii em nenhuum saitii..

  15. claudia disse:

    aah muito boom essa historia, tava porcurando algu assim, tenho
    quee fazer um trabalho sobre a Reforma Protestante, e eu num eoncontrava nada parecido, e você ta de parabéns *-*

  16. daniel junior de souza disse:

    olá , gostei do texto, pois expressa uma séries de verdades que ainda escondidas por muitos, quem dera que homens iguais a vc tivessem esta iniciativa de resgatar a história do cristianismo ao pé da letra, isto é, fazendo com que todos tenham conhecimento do que realmente aconteceu ,independente de pensamentos ouopniões. Deus te abençoe!

  17. Weverton disse:

    O assunto é bom, o que mais me impressionou foi a filosofia apresentada pelo yishay, é uma idéia baseada na história e nas tradições antigas das religiões antigas, mas ninguém questionou as suas idéias principalmente em relação ao nascimento de um novo líder. a mãe do futuro lider tinha que ser virgem e se manter reservada, não há nada estranho nisso? esse tal Yishay refuta a proposta do texto desse blog com informações históricas parciais e ninguém tem coragem de refutá-lo. leiam Gn 6, houve um ritual de fertilidade entre entidades( Anjos) e Mulheres ( filhas dos homens) Deus ficou tão revoltado e salva somente Noé e sua familia, há relatos históricos e comprovação cientifica em relação a essa informação,fato é que existem nos pólos grandes consentrações de água congelada que se voltasse ao seu estado natural inundaria o mundo inteiro. é só raciocinar e comprovar que Deus realmente existe e Que Jesus é realmente existe pois foi Ele mesmo que disse a Eva que sairia uma semente dela e depois confirmou em Jacó prometendo Siló logo mais tarde aos profetas, isaias fala como seria sua morte 750 anos antes, etc… tudo isso foi provado históricamente e tem mais se eu fosse entrar nesse assunto iria demorar muito, mas se alguem quiser realmente saber a fundo se eu sei mesmo ou não sobre isso. enviem um E-mail para mim e eu retornarei. fiquem na paz!!!!

  18. Paulo Sergio disse:

    Sou um fã de LUTERO. Que em minha sincera opinião foi o unico reformador que realmente se preocupou com as coisas sagradas, com Deus e o cristianismo.
    A grande desgrança do mundo hoje é sem dúvida provocada pelo consumismo, de espiritualidade protestante e principalmente calvinista. Não deve-se esquecer que os erros que a Igreja católica cometeu à 500 anos atrás os reformadores também cometeram com a queima nas fogueiras por exemplo, qualquer um que pesquisa um pouco mais sabe disso. Pior ainda é o que acontece hoje com os famosos vote no PASTOR fulano da silva. E as indulgencias então…. é só assistir qualquer programa dos chamados CRENTES que 2/3 do programa é destinado a pedir dinheiro. Sem contar na desestrutura familiar que o protestantismo causou, a igreja anglicana por exemplo deve saber as causas de sua fundação, o divorcio e a usurpação de terras da Igreja Católica. Não sei se o catolicismo é bom ou mal, mas quanto ao protestantismo tenho mais certezas que duvidas.

    Meu nome é Paulo Sergio e iiso não é Span esse é meu e-mail pessoal se quizer me responder estarei disposto a um dialogo franco e inteligente

    Aguardo ancioso

    Abraço

  19. igor victor silva de souza disse:

    olha so quem eu achei, o meu professor chato de religião…
    é guerra,estou fazendo o trabalho que você passou e
    acabei entrando no seu blog para procurar algo sobre
    esse tal de lutero!!!
    chau.até segunda-feira boysão.

  20. celia disse:

    muito bom mesmo,
    parabéns

  21. Alessandro disse:

    excelente Yashay!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s