AULA SOBRE BUDISMO EM POWER POINT

Publicado: agosto 17, 2013 em ARTIGOS, BUDISMO, CIÊNCIA DA RELIGIÃO, FILOSOFIA, IMAGENS

DÊ UM CLIC AQUI EM BAIXO E OBTENHA O POWER POINT PARA A AULA.

AULA SOBRE O BUDISMO 

220px-Buddha_00014

             BUDISMO

Prof. Jota Bê.

http://www.joaobosco.wordpress.com

O budismo nasceu na Índia com o príncipe hindu Sidhartha Gautama (o iluminado, Buda). A história conta que ele buscou a sabedoria em várias fontes até que se cansou e, ao encontrar uma figueira, disse que ficaria ali meditando até alcançar as quatro verdades. Para Buda: (1) a vida é dor; (2) a dor provém do desejo de experiências do corpo; e (3) pode ser anulada, assim como a ilusão que constitui o mundo (nirvana).

Buda é venerado como um guia espiritual, e não como um deus. Essa distinção é importante, pois permite a seus seguidores conviver com outras crenças e continuar seguindo os preceitos de Buda. Entre todas as grandes religiões do mundo, a budista é considerada a mais flexível e pacifista, uma vez que jamais recorreu à força para impor ou conquistar adeptos.

Por isso superar o sofrimento, Buda recomenda o meio-caminho. Esta última verdade é o sagrado caminho das oito vias: (1) fé pura, aceitar a verdade como um guia; (2) vontade pura, nunca fazer dano a nenhuma criatura; (3) palavra pura, nunca mentir ou difamar alguém; (4) ação pura, nunca fazer nada de que uma pessoa possa mais tarde arrepender-se, matar ou roubar; (5) meios de existência, não escolher uma ocupação que seja má; (6) atenção pura, procurar sempre o que é bom e afastar-se do que é mal; (7) memória pura, não se permitir pensamentos que estejam dominados pela alegria ou pela tristeza; (8) meditação pura, cumprir rigorosamente as regras anteriores visando a paz perfeita.

Como vivia na índia no século VI a.C., Buda convivia constantemente com as crenças hindus, das quais criticou os deuses e o sistema de castas. Os ensinamentos têm como base o preceito hinduísta do samsara, segundo o qual o ser humano está destinado a reencarnar infinitamente após cada morte e a enfrentar os sofrimentos do mundo. Os atos praticados em cada reencarnação definem a condição de cada pessoa na vida futura, preceito conhecido como carma.

O budismo divide-se em duas grandes linhas filosóficas, a Theravada e a Mahayana. A primeira, mais antiga, predomina em países do sul da Ásia. Da segunda fazem parte as formas budistas hoje mais divulgadas no Ocidente: o budismo tibetano e o zen-budismo. No Tibete o Budismo misturou-se com concepções totêmicas e animistas, o Lamaísmo. Buda é considerado como encarnado numa espécie de papa, Dalai-Lama, chefe de uma teocracia. Ao chegar ao Japão o Budismo torna-se Zen-Budismo.

O Brasil já tem mais de 250 mil praticantes, mas está longe de ser como a Tailândia, um país budista por excelência. Com 26 milhões de habitantes, a Tailândia tem 18 mil mosteiros e 240 mil monges. Estes a sós ou em grupos de dois, com a cabeça raspada, um manto cor de laranja, uma flor de loto na mão e pendurado ao braço um prato para esmola; deixam seu isolamento para entrar por momentos em contato com a sociedade. É o fiel quem agradece ao monge por ter aceito sua oferta, pois está dando-lhe os méritos de alcançar sua elevação. O monge é o último estágio antes do Nirvana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s