O senso comum acredita que quando se fala em mito trata-se de uma mentira. No sentido da religião não se pode conceber assim. O mito não é uma mentira.

Um mito é um relato em forma de narrativa com caráter explicativo ou simbólico, profundamente relacionado com uma dada cultura e/ou religião.

A função do mito seria tranquilizar o homem de seus medos. Quando tentava explicar aquilo que não teria UMA  resposta, dai ele cria essas respostas através dos mitos que passam a fazer parte daquela cultura.

TIPOS DE MITOS

  • Cosmogonicos: Mitos de origem e destruição.
  • Soteriológicos: salvadores e heróis
  • Mitos escatológicos: de tempo e eternidade.
  • Mitos de vida e morte: de renascimento e renovação.
  • Mitos do devir: de providência e destino

A questão  de porque os seres humanos desenvolveram a ideia de um mundo além do mundo visível em que vivemos é complexa. Como já relatamos, a compreensão do que é o mito e sua função. O homem querendo dar explicações ao mundo a sua volta, especialmente aos perigos, infortúnios e satisfação das necessidades básicas, os indivíduos das primeiras sociedades procuraram explicações num plano invisível para eles, mas que exercia influencia em sua vidas.

            A idéia de um mundo espiritual também está associada a noções de sono e morte, a consciência comparáveis ao dia e a noite, entre sono e a vigília, vida e morte.

            Assim é fácil entender porque os primeiros habitantes compreendiam assim o mundo ao seu redor. Onde existia um mundo visível, palpável que não era o único, havia um outro mundo….um mundo sobrenatural.

            Vamos estudar um pouco dessa maneira de enxergar o mundo temporal e o mundo espiritual visto por uma das culturas mais antigas do mundo, OS XAM SAN,  eram várias etnias de caçadores-coletores da Africa austral. Em 44.000 anos antes de Cristo.

A data de 3 de outubro será feriado no Rio Grande do Norte, em comemoração ao Dia dos Mártires de Uruaçu e Cunhaú. Mais um feriado… e SANTO! Me choca mais ainda é quando analisamos os porquês do feriado. Entro um pouco mais fundo na “história” por que a “istória”de Cunhaú me intriga. A grande parte da sociedade e de religiosos só conhecem um lado da moeda… aquilo que “alguns” insistem em contar. O que na verdade aconteceu? Porque os historiadores laicos divergem da história oficial? (católica).  Que pesquisas foram encomendadas que transformaram o evento numa briga religiosa? Porque o Governo não considerou as pesquisas realizadas pelas Universidades? E a Assembléia Legislativa rapidamente aprova mais um feriado “SANTO”.

Poderíamos aqui sugerir alguns feriados:

a)      Dia de Camara Cascudo – (nosso Mestre)

b)     Dia dos caboclos do Catimbó – (Religião brasileira)

c)       Dia da Umbanda – (Religião brasileira)

d)       E porque não um feriado específico aos indíginas que foram dizimados pelos portugueses em nosso Estado – NA COLONIA, na escravidão e na catequese Católica?

                                             Apresento aqui as duas versões do fato

 NÓS CRIAMOS NOSSOS HEROIS POR PURA CONVENIENCIA

HISTÓRIA LAICA

Não queremos aqui minimizar o massacre, o sofrimento das vidas que foram perdidas naquele local. Isso foi verdadeiro, mas devemos ser honestos com a história, não cedendo a pressões religiosas mais deixando a liberdade de pesquisa, de imprensa, registrar a outra face não contada. Esse caso de Cunhaú é extremamente controverso. Mas reina uma versão aceita pelos leigos e por alguns intelectuais que não buscaram conhecer o outro lado da história. Se na história não podemos eleger nosso herói, não podemos afirmar sobre o bandido, como a “versão” autorizada afirma que foi culpa do governo holandês orientado por um Pastor Evangélico. A história relatada por Cascudo e demais historiadores que defendem que o massacre não foi obra do governo holandês tem uma razão de ser, bem como a minha história.

1 – É preciso entender (ou buscar na história laica) que não foi o governo holandês que ordenou a chacina. Na verdade, a outra versão que fazemos aqui o levante, narra que foi uma vingança por parte dos índios que ali moravam ajudados por uma outra tribo da Bahia. Todos esses, se revoltaram devido notícias da crueldade cometidas pelos portugueses para com os indígenas. No início da revolta (13/6/1645), isso é aceito pela maioria dos historiadores (laicos) que por onde passavam os portugueses e estabeleciam seu domínio, a violência, a morte estavam presente de forma cruel. Os “brasilianos” (como eram chamados os índios tupis) fugiam para bem próximo das fortificações holandesas, que eram difíceis de serem atacadas e destruídas. Outros decidiram evitar o desastre aparentemente inevitável e pegaram em armas. Foi isso que aconteceu em Cunhaú.

“No Rio Grande do Norte, a população indígena consistia em grande parte de índios antropófagos (tapuias), sob a liderança do seu cacique Nhanduí. Para os holandeses, os tapuias significavam um bando de aliados um tanto inconstantes, pois eram um povo muito independente, que não aceitava ordens de ninguém, mas decidia por si o que era melhor para sua tribo. Um tal de Jacob Rabe, casado com uma índia, servia de ligação entre eles e o governo holandês”. (Schalkwijk – 1986).

Os holandeses eram considerados como os libertadores da opressão portuguesa. E, por várias vezes, esses índios quiseram aproveitar-se da situação de derrota dos portugueses para vingar-se da violência anterior Como acontecera no Ceará em 1637, em 1645 os índios procuraram matar todos os portugueses da região, que foram protegidos pelos holandeses, por meio das armas.. Os tapuias sentiram que, com o início da revolta contra os holandeses, eram eles ou os portugueses. No dia 16 de julho, começaram por Cunhaú, massacrando as pessoas que estavam na capela e posteriormente, numa luta armada, os restantes.

2. O nome do Pastor protestante Rev. Jodocus à Stetten que era capelão do exército holandês está ligado a esse episódio de Cunhaú, é preciso observar e entender que exatamente o contrário do que alguns afirmam, esse pastor foi enviado pelo governo holandês do Recife para acalmar os ânimos dos indígenas. Porém, os índios, não entendiam como os holandeses podiam defender seus inimigos mortais. 3 . É preciso também registrar que esse sim: Como afirma Schalkwijk, o Algoz-mor de Cunhaú: Jacob Rabe alguns meses depois do massacre, esse funcionário da Companhia das Índias Ocidentais, que havia recebido o pastor Jodocus de pistola em punho, foi morto por ordem do próprio governador da capitania do Rio Grande do Norte, Joris Garstman. O capitão Joris era casado com uma senhora portuguesa que havia perdido muitos parentes em Cunhaú. Na história não podemos eleger nossos heróis, mas os inimigos, o algoz, sempre queremos descobrir que o foi. Nesse relato, apresentamos uma outra versão que evidentemente não esclarece de um todo, mas apresenta através de três pontos que a história precisa ser revista.

Dr. Francisco Schalkwijk

OUTRO POST JÁ PUBLICADO NO BLOG 

Causa espanto saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou por unanimidade e a Governadora (da época) sancionou lei criando o feriado estadual de 3 de outubro para culto público e oficial dos chamados mártires de Uruaçu e Cunhaú. A lei estadual 8.913, de 6 de dezembro de 2006, é um insulto aos nossos indígenas de ontem e de hoje e um atentado aos princípios do Estado Laico. Inconcebível que seja o próprio Estado a colaborar com a igreja católica nos seus intentos de criar beatos, santos, mártires, milagres etc. e a partir de qualquer história forjada e narrada como se quer.O que se chama de massacre dos mártires de Uruaçu e Cunhaú (mártires católicos!, pois do outro lado estavam protestantes holandeses e indígenas) é fato ocorrido no século XVII e não difere de outras situações que o território brasileiro conheceu, em todas as partes, no período colonial. No fundo, o que se visa exaltar é a fé católica que, nesse mesmo período histórico, foi responsável pela morte de milhões de indígenas. Os tapuias e potiguares que habitavam a região e que, ao lado de holandeses calvinistas, figuram na narrativa construída sobre o tal martírio, que agora se visa cultuar, faziam parte da grande civilização indígena aqui existente que, pela catequese cristã e predominantemente católica, viu ser dizimados três milhões de seus integrantes nos três primeiros séculos da colonização.Que cidadãos, isolados ou em grupos organizados, queiram praticar suas crenças, organizar e participar de romarias (a cavalo, em paus-de-arara, bicicletas, motos, carros ou a pé), que as igrejas, incluindo a dos católicos, queiram difundir suas crendices, incluindo inventar milagres e os santos milagreiros, que o façam no usufruto dos direitos que são os seus. Todavia, o Estado não pode ser cúmplice do absurdo que é tornar feriado um dia da semana para culto de uma narrativa que insulta os indígenas de ontem e de hoje.Os poderes Legislativo e Executivo estaduais, com a criação do feriado de 3 de outubro, dão mostras que não praticam a laicidade exigível desses poderes no âmbito da esfera pública e estatal e confirmam que, no Brasil, o Estado, longe de ser laico, permanece vergonhosamente submetido, pelas mãos de seus dirigentes, aos ditames e interesses de igrejas e religiões. Os interesses da igreja católica (ou de qualquer outra) não podem ser colocados acima do caráter universalista que o Estado está obrigado a preservar para permanecer como esfera autônoma, independente. Esta que é a única condição do Estado poder legitimamente representar a sociedade como um todo e agir pela sua emancipação social, livrando-a do domínio de crenças sem fundamentos que se tornam obstáculos aos seus avanços culturais, sociais. No Brasil, são inúmeros os exemplos de ações das igrejas, contrariando a implementação de medidas emancipatórias pelo Estado.

Multinacional capitalista, que enriquece com a mais-valia da fé alheia explorada, mas continuamente sedenta de criar santos e milagres para a conservação do seu domínio sobre uma população pobre e abandonada à sua própria miséria (emocional, cultural, econômica), a igreja católica não pode contar com a cumplicidade dos dirigentes do Estado para realizar seus intentos. O fato representa uma tomada de posição desses dirigentes em favor de um segmento da sociedade, e apenas de um de seus segmentos, ferindo o principio da laicidade e da universalidade de valores a predominar e a ser preservado pelo Estado no âmbito das decisões político-públicas.

Se há algo a ser feito sobre o que se passou em 1645 é o Estado narrar a tragédia de nossos indígenas, vencidos pela violência, dividindo-se, em desesperadas estratégias, entre os colonizadores.

Dr. Alípio Sousa Filho

HISTÒRIA RELIGIOSA _ CATÒLICA

História

Em 16 de junho de 1645, o Pe. André de Soveral e outros 70 fiéis foram cruelmente mortos por 200 soldados holandeses e índios potiguares. Os fiéis estavam participando da missa dominical, na Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho Cunhaú – no município de Canguaretama (RN). O que motivou a chacina? A intolerância calvinista dos invasores que não admitiam a prática da religião católica: isso custou-lhes a própria vida.

O movimento de insurreição contra o domínio holandês começou em Pernambuco, mas, na capitania do Rio Grande do Norte, tudo parecia normal. Bastou, porém, a presença de uma só pessoa para que o clima se tornasse tenso: Jacó Rabe, um Judeu – alemão a serviço dos holandeses. Ele chegara a Cunhaú no dia 15 de julho de 1645.A simples presença de Rabe e dos tapuias era motivo para suspeitas e temores. Suas passagens por aquelas paragens eram freqüentes, sempre acompanhado dos ferozes tapuias, semeando por toda parte ódio e destruição.

Ao relatar uma história, não conseguiremos isentar totalmente de nossos pressupostos, inclusive os religiosos. Mas fato deste escritor ser protestante não impedirá e não porá em cheque suas argumentações que devem ser analisadas a partir do viés da história laica . Este site é informativo, de pesquisa e de lazer. Avisando para aqueles que são religiosos que não se fruste diante de fatos que não lhe contaram ou que seja difícil você aceitar. Clique no “X” e visite um outro site, este não é um lugar para você estar.

http://www.vcartigosenoticias.com/2011/10/feriado-no-rn-conheca-um-pouco-da.html

OUTRA NARRATIVA CATÒLICA

“Após a elevação da hóstia e do cálice, erguendo o Corpo do Senhor para a adoração dos presentes, a um sinal de Jacó Rabe, foram fechadas todas as portas da igreja e se deu início à terrível carnificina. Foram cenas de grande atrocidade: os fiéis em oração, tomados de surpresa e completamente indefesos, foram covardemente atacados e mortos pelos flamengos com a ajuda dos tapuias e dos potiguares. Ao perceber que iam ser mesmo sacrificados, os fiéis não se rebelaram. Ao contrário, “entre ânsias se confessaram ao sumo sacerdote Jesus Cristo Senhor Nosso, pedindo-lhe cada qual, com grande contrição, perdão de suas culpas”, enquanto o Pe. André estava “exortando-os a bem morrer, rezando apressadamente o ofício da agonia”.

No dia 16 de julho, Domingo, um grande número de colonos estava na igreja, para a missa dominical celebrada pelo Pároco, Pe. André de Soveral.Após a elevação da hóstia e do cálice, erguendo o Corpo do Senhor, para a adoração dos presentes, a um sinal de Jacó Rabe, foram fechadas todas as portas da Igreja e se deu início à terrível carnificina. Foram cenas de grande atrocidade: os fiéis em oração, tomados de surpresa e completamente indefesos, foram covardemente atacados e mortos pelo flamengo com a ajuda dos tapuias e potiguares. Ao perceber que iam ser mesmo sacrificados, os fiéis não se rebelaram. Ao contrário, ‘entre mortais ânsias se confessaram ao sumo sacerdote, pedindo-lhe, com grande contrição, perdão de suas culpas.

Dia 15 de julho chegou em Cunhaú Jacó Rabe, trazendo consigo, como sempre, seus amigos e liderados, os ferozes tapuias, e, além deles, alguns potiguares com o chefe Jerera e soldados holandeses. Jacó Rabe era conhecido por seus saques e
desmandos, feitos com a conivência dos holandeses, deixando um rastro de destruição por onde passava. Dizendo-se em missão oficial pelo Supremo Conselho Holandês do Recife, convoca a população para ouvir as ordens do Conselho após a missa dominical no dia seguinte. Sua simples presença deixou todos tensos e temerosos Os
fiéis chegaram, em grupos de famílias, para cumprir o preceito dominical, e Pe. André de Soveral iniciou a missa…

Postado por Artigos e Noticias

Os primeiros ataques ao venerando sacerdote, Pe. André de Soveral, partiram dos tapuias. O Padre, porém, falando a língua indígena na qual era bem versado, exortou-os a não tocar na sua pessoa ou nas imagens e objetos do altar, sob pena de ficarem tolhidas as mãos e as partes do corpo que o fizessem. Os tapuias recuaram receosos. Mas os potiguares não deram importância às palavras do sacerdote, arremetendo contra o ministro de Deus e “fazendo-o em pedaços”. O autor da façanha foi o principal dos Potiguares Jerera, que, empunhando uma adaga, feriu de morte o Pe. André”.

Os que haviam se refugiado na casa do senhor de engenho tiveram a mesma sorte. Após a igreja, esta foi invadida. Três conseguiram fugir escapando pelos telhados. Os outros tentaram se defender como puderam, mas também foram mortos. A disposição dos fiéis à hora da morte era a de verdadeiros mártires, ou seja, aceitando voluntariamente o martírio por amor a Cristo. Os assassinos agiam em nome de um governo que hostilizava abertamente a Igreja Católica, a religião do governo português, do qual eram adversários. As vítimas tinham plena consciência disso.
De toda essa numerosa multidão de mártires, cerca de 70 pessoas, apenas duas foram identificadas, e por isso, beatificadas: André de Soveral e Domingos de Carvalho.

Jota Bê – Escritor, Teólogo Cientista da Religião pela UERN. ( Nordestino, nascido em Natal sem familiares holandeses ou calvinistas). (tomando como base o texto de Dr. Francisco Schalkwijk – Doutor em história na Universidade Presbiteriana Mackenzie. E o Texto de Dr. Alipio de Sousa Filho. Doutorado em Sociologia pelo Université Rene Descartes, Paris V, Sorbonne, França(2000)
Professor Titular de Teoria Sociológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte , Brasi
l.

CRISTOFOBIA? Existe no Brasil?

Publicado: setembro 29, 2020 em IMAGENS

m um discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na terça-feira (22/09), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil é um país “cristão, conservador e tem na família a sua base”, embora a Constituição estabeleça que o país é laico e secular como já discutimos em alguns videos anteriores. a ONG internacional Portas Abertas, que auxilia cristãos que sofrem perseguição religiosa, produz um ranking de 50 países onde seguidores do cristianismo são mais perseguidos por causa de sua fé — o estudo é feito a partir de relatos de incidentes de violência. Desde que a lista começou a ser feita, há 25 anos, o Brasil nunca apareceu entre os 50 primeiros colocados. O que é na verdade cristofobia? Porque ele abordou esse assunto em uma reunião da ONU? O Presidente é um religioso praticante a ponto de se preocupar que esteja ocorrendo um problema dessa natureza e esse, fazer parte de sua agenda internacional? Quanto de verdade, e se existe verdade nesse tema….MOSTRAR MENOS

O Brasil é laico, mas esse governo é cristão! Essa frase foi pronunciada pelo presidente da republica Jair Messias Bolsonaro. Vamos fazer uma exegese da frase… Quando sou um representante do povo e faço parte de um governo, as minhas falas para o povo não podem ser impressões pessoais quando implica na mudança de paradigma desse povo. Ora, o presidente nem precisaria falar sobre isso, mas poderia ter dito na frase: O Estado é laico, e minha fé é cristã! Por que ao dizer o Estado é laico, mas esse governo é cristão! Ele está afrontando a sociedade em tom de ameaça. O Estado é laico (e dái?) eu sou cristão! (é o que importa). O artigo 19 da constituição tratando da organização do Estado diz que: É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer cultos religiosos ou manter dependência e aliança religiosa. O filósofo iluminista Voltaire escreveu sobre as consequências deste sistema. De acordo com ele, na antiguidade quase todas as sociedades foram governadas por protótipos de uma teocracia. Elas eram regidas por sacerdotes alçados ao status de reis. A palavra Teocracia vem do grego “teo”, que significa Deus, somado a “cracia”, que quer dizer poder. Considerando a impossibilidade de qualquer divindade administrar diretamente, aos “escolhidos” é delegado esse poder. Na teocracia, as ações daqueles que são considerados representantes da divindade são consideradas de inspiração divina. Nesse regime, fica difícil contestar qualquer decisão praticada, posto que seria uma afronta à própria divindade. ¬

O Estado laico (ou Estado secular) não pode adotar uma crença religiosa e não pode privilegiar ou preterir crenças. Para tanto, é necessário que haja uma Constituição que garanta direitos iguais para todos os cidadãos, não importando a sua crença religiosa. O poder público e seus agentes também não podem levar as suas crenças individuais para a administração pública. O Estado somente pode interferir quando há conflitos em relação à crença religiosa da população. Assim como é assegurada a liberdade religiosa e de culto, deve ser assegurado também o direito de não acreditar em Deus ou divindades (ateísmo), de não frequentar templos religiosos e de suspender ou não emitir as suas convicções religiosas (agnosticismo). Estado Laico não deve ser confundido com o Ateísmo de Estado. Como já foi explicado o secularismo está relacionado com a neutralidade do governo com os assuntos religiosos. Já o Estado Ateu significa a nação não acredita e rejeita as manifestações religiosas.